20
Ter, Ago

Demora para conseguir vaga em creches de Mogi atrapalha rotina de mães que buscam emprego

Texto
  • Minusculo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Dados da Defensoria apontam que o número de famílias que buscaram ajuda na Defensoria Pública para garantir o direito neste ano já é maior que o registrado em 2018. A Prefeitura informou que novas creches serão entregues até o final do ano e que a reorganização das escolas para o próximo ano letivo deve absorver parte da demanda.

Duzentas e noventa e cinco pessoas procuraram a Defensoria Pública Estadual, em Mogi das Cruzes, para entrar com um ação na tentativa de conseguir uma vaga nas creches municipais neste ano. O número já é maior do que o de ações registradas ao longo de todo o ano de 2018.

A demora na espera por uma vaga atrapalha até mesmo a situação financeira de algumas famílias, já que algumas mães ficam impossibilitadas de procurar emprego por não terem com quem deixar os filhos.

De acordo com os dados obtidos com a Defensoria Pública, em 2018, foram 290 ações. O levantamento deste ano leva em conta os pedidos feitos até o dia 23 de julho.

Segundo a Prefeitura, quatro novas creches serão entregues até o final do ano com 722 novas vagas, ao todo, para crianças de diversas faixas etárias. A administração municipal ainda informou que "o movimento de reorganização das escolas para o próximo ano letivo, o que deve absorver parte desta demanda".

A espera
Jéssica Janaina de Souza Lemes está desempregada porque desde 2017 tenta uma vaga para deixar a filha na creche desde 2017. Ela conta que, depois de uma atualização de cadastro, seu nome foi colocado no final da lista.

“Eu precisei mudar de telefone, fui até a creche onde tinha feito a inscrição para atualizar o cadastro, até para eles terem meu número certo para me ligarem quando surgir uma vaga, e me disseram que o sistema não permitia essa atualização. A atendente precisou cancelar aquela matrícula que eu tinha feito antes e fez um novo cadastro, com isso, meu nome foi pro final da lista de espera.”

A mãe explica que se mudou em 2017 para Mogi e não tem familiares na cidade. Sem a possibilidade de deixar a criança com algum conhecido, ela está desempregada desde então. “Nós vivemos com a renda do meu marido, que é pouca. A gente vive apertado porque pagamos aluguel e tem os gastos com leite e fralda, pro exemplo. Se eu conseguisse uma vaga na creche, poderia voltar a trabalhar e ajudar nas despesas de casa”, completa.

Jéssica conta ainda que procurou ajuda na Secretaria da Educação, mas não recebeu nenhuma informação. Ela diz também que prefere a Creche São José Operário, no bairro do Mogilar, mas diz que aceitaria uma vaga em qualquer unidade.

A Prefeitura disse que a informação de que o filho de Jéssica foi para o final da fila não procede. "As atualizações de dados cadastrais, quando feitas por um novo protocolo, substituem o atual registro excluindo o mais antigo. São informações passadas pelas famílias, que auxiliam na localização da criança, não afetando sua classificação no sistema", informou a administração municipal.

Thais Aline de Freitas Prado é outra mãe que busca uma vaga. Ele conta que tenta uma vaga para o filho desde o início do ano e que, por não conseguir, não pode aceitar uma proposta de emprego. “Meu filho tem um ano e eu ia voltar a trabalhar no começo do ano. Fiz a inscrição dele na creche, mas até agora não fui chamada. Eu tenho uma oportunidade de emprego, mas não consigo aceitar por conta da vaga da creche. Eu não tenho com quem deixá-lo.”

Thais disse que também fez a inscrição para a Creche José Operário, mas, diante da situação, aceitaria uma vaga em qualquer outra unidade.

Novas vagas
Em julho, a Secretaria Municipal de Educação abriu vagas para o cadastro de quem busca uma vaga na educação infantil. De acordo com a Prefeitura foram 119 vagas, em 21 unidades, para diferentes faixas etárias.

Segundo a administração municipal, quatro novas creches serão entregues até o final do ano. Duas delas estão sendo construídas no distrito de Jundiapeba, uma no Mogi Moderno e outra no Jardim Universo. Ao todo, serão oferecidas 722 novas vagas para crianças de diversas faixas etárias.

"A Prefeitura de Mogi das Cruzes está construindo novas unidades em um modelo sustentável com maior capacidade de atendimento, são 195 vagas por unidade. Outras oito estão em licitação e duas em projeto, oferecendo mais 1.950 vagas aproximadamente. Temos também o movimento de reorganização das escolas para o próximo ano letivo, o que deve absorver parte desta demanda", diz a nota.

Em nota, a administração municipal disse ainda que há vagas para "turmas de Infantil III e Infantil IV (que completam quatro e cinco anos até 31 de março do ano letivo corrente)" em período parcial.

Ao todo, segundo a Prefeitura, 2.626 crianças estão inscritas aguardando uma vaga. Sobre o tempo que uma criança fica na fila de espera aguardando por uma vaga, a Secretaria de Educação explicou que o cadastro é muito dinâmico e que a demanda varia de acordo com os endereços das famílias.

Alto Tietê Online